Parlamento britânico aprova acordo do Brexit na generalidade

Parlamento britânico aprova acordo do Brexit na generalidade

Com 358 votos a favor e 234 contra, o acordo de saída do Reino Unido da UE passou na generalidade. Já não pode não haver Brexit. A seguir Andrew Bailey nomeado para novo governador do Banco de Inglaterra Mais Vistas EMPRESAS Estes são os 20 produtos com mais sucesso no Shark Tank CINEMA Estreia em Portugal a primeira sala de cinema com ecrã de 270 graus TELECOMUNICAÇÕES NOS corta mais de metade do valor a pagar por fim antecipado do contrato RETALHO ALIMENTAR Estes são os supermercados mais baratos no Norte para o Natal RIQUEZA São estes os 29 países mais ricos do mundo O parlamento britânico, com maioria do partido Conservador, aprovou hoje o projeto de lei do acordo de retirada da União Europeia (UE), para que o Reino Unido possa sair do bloco na data prevista de 31 de janeiro. Os deputados da Câmara dos Comuns autorizaram por 358 votos contra 234 que o texto apresentado pelo primeiro-ministro, Boris Johnson, passe à fase parlamentar seguinte, onde poderá ainda sofrer alterações a nível de comissões parlamentares antes da aprovação definitiva, já em 2020.

Uma jornalista do Telegraph publicou imagens de Boris Johnson a assinar as cópias do acordo para dar aos ministros. Boris Johnson afirmou que a decisão do eleitorado em seguir em frente com a saída do bloco europeu “não deve ser vista como uma vitória de um partido sobre outro”, citado pelo Guardian. O processo legislativo prosseguirá depois do Ano Novo, prevendo-se que a votação final seja feita a 09 de janeiro.

Após o consentimento da rainha, faltará apenas o Parlamento Europeu votar o acordo de saída, proposto por Boris Johnson, cujo partido Conservador dispõe de uma confortável maioria absoluta, alcançada nas eleições do passado dia 12 de dezembro. A votação de hoje foi feita numa sessão especial antes da pausa para o Natal, e implicou a autorização pelo presidente da câmara baixa do Parlamento, Lindsay Hoyle, para uma sessão extraordinária numa sexta-feira, após a qual parlamento encerra para férias. A redação da proposta de lei hoje votada foi alterada desde outubro, tendo sido introduzida a proibição de prolongar o período de implementação para além de 31 de dezembro de 2020.

Removidas foram garantias sobre direitos laborais e legislação ambiental, mas o governo assumiu o “compromisso de continuar com os mais altos níveis de direitos dos trabalhadores, normas ambientais e proteção ao consumidor” em legislação à parte.

*Com Lusa

Leave your comment

Please enter your name.
Please enter comment.
×

Olá!

Clique para falar comigo por WhatsApp ou envie-me um email para sergiogave@gmail.com

×