Excerto do meu livro I

17. 01. 20

 

(...) Não faltava nada que se pudesse fabricar, semear ou colher. Mas, por outro lado, faltava aquilo que simplesmente se sente: o carinho e o amor. Na verdade, faltava o essencial. (...) Excerto do meu livro.