Oito dicas de investidores para um ‘pitch’ perfeito

16. 12. 05

Fazer um bom 'pitch' é um dos maiores desafios que os empreendedores enfrentam. Conheça as dicas de investidores para um 'pitch' perfeito.

É através desta ferramenta que conseguem atrair ou afastar investidores, daí ser importante dedicar-lhe tempo ao ponto de ficar suficientemente assertivo. Payal Kadakia, Fred Destin e Sarah Leary, investidores que já estiveram na pele de empreendedores, explicaram, numa conferência da Web Summit, qual o 'pitch' perfeito.

O que é um 'pitch'?
Um 'pitch' é uma pequena apresentação, de três a cinco minutos, com o objetivo de dar a conhecer uma ideia de negócio. A ideia é despertar o interesse de eventuais investidores, iniciar uma conversa e convencê-los a entrar no seu projeto.

1. Agarrar em 15 minutos

"Se não me entusiasmarem nos primeiros 15 minutos, dificilmente vai haver negócio". A frase saiu da boca de Fred Destin, que acrescentou: "Quero saber se a ideia é arriscada e disruptiva, que me faça perguntar por que devo investir se tenho medo". Mas, depois de conseguir agarrar a atenção investidora, deve ganhar a sua confiança.

2. Contar uma boa história

Os investidores têm de lidar com planos de negócio, valores e números todos os dias, por isso, a melhor forma de prender a atenção é contando uma história que conecte a ideia. "Tem que ser uma boa narrativa, genuína e autêntica", explicou Payal Kadakia. É fundamental conhecer os números, mas, no final de contas o que importa são as pessoas. Por isso, conte uma boa história aos investidores. Explique o percurso desde os primórdios da ideia até onde chegaram. "Fale da missão da empresa e do seu sentido. É isso que leva as empresas para a frente", prosseguiu.

3. Ter uma solução para o mercado

Não há boa história que possa sobreviver a uma ideia de negócio pobre. Nada entusiasma mais um investidor do que um empreendedor com uma solução para um problema de mercado, de preferência o grande mercado. Os nichos também têm lugar, mas, do ponto de vista do investidor, não são tão interessante. Se identificou um problema e traz uma solução, assegure-se que consegue passar essa informação para o investidor durante o 'pitch'.

4. Mostrar que sabe lidar com o 'stress'

O momento do 'pitch' tem normalmente uma carga de 'stress' bastante elevada, principalmente quando se trata de empreendedores de primeira viagem. É um ponto de viragem na vida da 'startup', os nervos estão à flor da pele e os investidores são sensíveis a isso. No entanto, conseguir demonstrar que consegue lidar com esse 'stress', irá agradar aos investidores e convencê-los que vai lidar bem com as reviravoltas que podem surgir no caminho. O mesmo se aplica à restante equipa. É importante mostrar coesão e que todos estão a caminhar no mesmo sentido.

5. Ter paixão pela ideia

Não tenha medo de se entusiasmar. É fundamental que acredite genuinamente na sua ideia de negócio e que consiga transmitir essa paixão. Se não conseguir demonstrá-lo, a imagem que vai passar é que não está muito empenhado ou não acredita que a ideia vá prosperar. Os investidores vão desconfiar. Um discurso apaixonado pode transformar céticos em crentes e deixar os investidores convencidos que querem absolutamente estar envolvidos com o seu projeto.

6. Não falar muito da estratégia financeira

Os três oradores foram unânimes neste ponto. Embora seja importante conhecer os números do mercado; saber quanto vale e estabelecer um objetivo, os empreendedores não devem falar muito em receitas. Em muitos casos não há informação suficiente, acabando-se por passar uma mensagem confusa, que afasta investidores. "A maior parte das pessoas focam-se em vender, mas é mais importante estabelecer confiança", como explicou Sarah Leary.

7. Menos 'powerpoint', mais confiança

Fred Destin foi perentório em afirmar: "As apresentações em 'slides' são uma porcaria. É mais importante focarem-se na história e na mensagem, do que em estarem preocupados que o 'slide' não passa, isso vai desviar-vos do vosso objetivo e aborrecer os investidores".

8. Conhecer os investidores

Quando chegar o dia de apresentar a ideia de negócio, os empreendedores deverão ter feito o "trabalho de casa", ou seja uma investigação sobre os investidores. O que fizeram, qual o seu percurso e, sobretudo, em que áreas de negócio costumam investir. Se for possível, também é aconselhável falar com CEO de empresas em que o investidor se aplicou mas que não resultaram. É uma forma de ficar a saber porque é que falharam e com isso aprender a contornar alguns problemas.

 

Fonte